Perfil da liderança em tempos de crise do coronavírus
Imagem: Pixabay

Enquanto as empresas lutam para garantir a continuidade dos negócios durante o surto de Covid-19, uma boa liderança, mais do que nunca, é fundamental para manter os negócios avançando e emergindo fortemente diante do desafio atual.

Este é um momento em que o desempenho será julgado pela maneira como uma empresa e sua liderança servem a todos e cumprem um propósito maior – e especificamente como eles atendem aos requisitos e expectativas de seus diversos stakeholders.

Um bom líder deve utilizar os recursos que possui, encontrando maneiras criativas de apoiar as pessoas e comunidades que o cerca. Alguns comportamentos merecem destaque para esse momento de crise. Entre eles:

Trabalho em equipe e cooperação: Especialmente nos níveis que se concentram na busca e valorização da opinião dos outros.  Formar uma equipe para lidar com a crise, às vezes incluindo pessoas de fora da empresa. Entender, no entanto, que uma solução a longo prazo requer a contribuição e envolvimento de muitos interessados. Compreender as posições dos outros e as razões para justificá-las, mesmo sob estresse e quando não há consenso.

Calma, coragem e positividade: Líderes devem sentir um senso de urgência e permanecerem serenos. Entregar más notícias  quando eles precisam, de uma forma que evite o pânico e forneça um nível realista de esperança para o futuro. Acima de tudo, são corajosos o suficiente para tomar decisões que acreditam ser as mais adequadas, independentemente de serem as mais populares.

Admitem erros: Líderes corajosos que assumem riscos calculados irão, sem dúvida, cometer erros em algum ponto. Crises profundas como a pandemia do coronavírus que estamos passando, exigem tomada de decisão contínua. Líderes fortes estão preparados para admitir seus erros e criar soluções não experimentadas previamente  e às vezes até desconhecidas.

Enxergam a realidade: Reconhecem os eventos e seu significado e não se coíbem das consequências do que veem. Integridade intelectual é um componente chave no seu DNA; eles pensam o que é melhor para a organização e para a sociedade, não para seu próprio ganho pessoal.

Múltiplas opções: Quando líderes identificam os problemas, estão dispostos a considerar várias abordagens para solucioná-los. Fazem benchmarking com outros países e empresas e brainstorming sem julgamento, mesmo que eles tenham uma solução preferida em mente. Claramente, cada situação local é diferente, mas há oportunidades para as empresas aprenderem com outras pessoas em regiões que estão semanas à frente para responder à pandemia.

Priorização e Equilíbrio de curto e longo prazo: Empresas enfrentando um colapso em seus negócios de curto prazo, devem também se concentrar nos preparativos de longo prazo. Em vez apenas de reduzir o número de funcionários, incentivar os funcionários a usar seu tempo para atualizar sistemas internos, melhorar processos, aprimorar habilidades e projetar novos produtos e serviços para estarem melhor preparados para a recuperação.

Inteligência emocional: Nesse cenário crítico da pandemia do coronavírus, as pessoas podem ser tomadas pelo pânico, medo e ter reações exageradas, e até mesmo inapropriadas. Nesse sentido, os líderes devem ser empáticos, acalmar os ânimos e colocar a situação em perspectiva. Devem ter a capacidade de ouvir as pessoas – dentro e fora da empresa, incluindo clientes- com objetividade e compreensão

Adaptação: Nesse cenário VUCA (acrônimo inglês que significa volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade) a única certeza é a da mudança e rápida. Então os líderes precisam ser flexíveis, adaptáveis e se reinventar constantemente. De fato, em um mundo volátil e em rápida mudança, essa abordagem adaptativa das empresas e dos seus líderes deve ser aplicada mais amplamente, além do gerenciamento de crises.

 Crucial será as empresas acelerarem seus esforços de transformação digital existentes e capacitar a liderança em competências digitais, incluindo gestão de equipes remotas com eficácia e alto desempenho.

No mundo dos negócios, os KPIs de curto prazo costumam ser a força motriz da tomada de decisões. A produtividade, por exemplo, tem uma tendência de ofuscar muitos outros aspectos importantes dos negócios. Com a desaceleração forçada que a crise do coronavírus trouxe ao mundo dos negócios, os líderes devem reservar um tempo para refletir não apenas sobre os negócios que você faz, mas como eles são realizados. Fazer a si mesmo perguntas como seus processos podem ser fortalecidos ou se é hora de avaliar um novo modelo de negócios. Reavaliar como as coisas estão sendo feitas. Pensar além do curto prazo e tentar coisas novas. Ter visão estratégica.

A crise da pandemia do coronavírus não foi a primeira do gênero. E certamente não será a última que líderes de negócios enfrentarão. Se os líderes não possuem políticas em suas empresas para reagir com eficiência dessa vez, devem começar a antecipar possíveis cenários futuros, relacionados ao COVID-19 e aos que estão por vir.

Os melhores líderes e empresas serão os capazes de transformar a tragédia de curto prazo dessa pandemia do coronavírus que prejudica suas organizações em um senso de propósito e de contribuição social que a melhora a longo prazo.”.

Por Daniela Mindlin Tessler, via MundoRH*

————-

(*) É Sócia da Odgers Berndtson Brasil.

Fonte: MundoRH.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.